Grande pecuária na Amazônia, efeitos para a economia e populações locais e alternativas de desenvolvimento para a região

Projeto de monografia que investiga a sustentabilidade da grande pecuária na Amazônia e alternativas de desenvolvimento

  • Aluno: Henrique Cavalieri
  • Prof. orientador: Roberto Monte-Mór
  • UFMG, 2019

📌 Essa apresentação não é exaustiva e não pretende investigar todos os argumentos a fundo.

O mesmo vale do trabalho em si: ele age mais como uma revisão bibliográfica apontando caminhos e conclusões externas do que como produtor de conhecimento.

Podemos entrar em detalhes sobre cada referência e/ou tema ao fim dessa apresentação 😉

Lembrando que também estou aqui para aprender!

Visão geral

#0 A "grande pecuária" e a "sustentabilidade"

#1 A pecuária continua e continuará a crescer

A pecuária na Amazônia Legal vem se tornando cada vez mais relevante para o país, passando de 25,6 a 28% do rebanho nacional em 2000 para 36,9 a 40,6% em 2018 (IBGE)

Puxados pelo aumento de exportações, os preços da arroba do boi estão crescendo (Borges, Barbieri e Gavras, 2019), chegando a 35,8% de aumento em apenas 2 meses. (setembro a novembro de 2019 em Marabá, PA. Fonte: Scot Consultoria, 2019 via Canal Rural)

Logicamente, esses preços aumentam ainda mais os incentivos para a instauração de pastos na Amazônia.

Considerando e correlação da pecuária com o desmatamento (N & N, 2003; B & S, 2009; V & DA, 2009; C, 2015; DS, 2016), a intensificação recente das derrubadas e queimadas (PRODES) é um sintoma da expansão dessa atividade na região.

#2 A grande pecuária não é sustentável na Amazônia

Ela é sustentável economicamente*, mas nos pilares social, cultural e ecológico da sustentabilidade a atividade deixa a desejar.

#3 Existem diversas alternativas econômicas

#4 Mas uma mudança de paradigmas é necessária para a região

Quando aplicada na Amazônia, a lógica industrialista de desenvolvimento traz consigo uma série de distorções e deixa de aproveitar o maior potencial da Floresta: sua riqueza biológica (Becker, 2009a)

Questões econômicas

A pecuária tem todos os motivos econômicos para crescer na Amazônia Legal

  • Incentivos econômicos na fronteira
  • Apoio estatal
  • Avanços tecnológicos e estrutura produtiva
  • Oligopolização e força política de grandes conglomerados

No entanto, este crescimento prejudica a economia e populações locais

  • Processo de ocupação destrutivo
  • Relações frágeis de trabalho
  • Cadeia produtiva problemática
  • Soberania local lesada

E sequer os resultados econômicos são proporcionais

Costa (2015) demonstra como a pecuária patronal de trajetória tecnológica T4 gera 25% do valor de produção, mas apenas 11% do emprego e surpreendentes 70% da área degradada e 71% do balanço líquido de carbono emitido. Há também a memória dos fracassos de projetos militares na década de 70 e 80.

🛑 Mas não devemos elegê-la como vilã

Além de ser perigoso prescrevermos uma tendência homogênea para a Amazônia, a pecuária faz parte de um contexto maior que a favorece, não sendo a culpada per se deste cenário.

Alternativas

Opções analisadas

  • Reforma agrária
  • Créditos de carbono
  • Aumento da produtividade
  • "Bois Verdes"
  • Turismo
  • Outras culturas
  • Mudanças no padrão de consumo
  • Produção familiar
  • Conhecimento tácito local

Lembrando da dificuldade de se implementar alternativas sérias devido à força de grupos de interesse

Conclusão

Pensamentos gerais

  • É uma questão urgente
  • Necessário repensar o que é desenvolvimento
  • Revalorar a Amazônia
  • Perspectivas futuras
  • Conscientização

Dúvidas ❓